Sem Artigos do Campo no momento


Sem Artigos do Campo no momento

#vidadocampo

Notícias

Notícias do Campo

Senar-RS e Embrapa promovem evento sobre combate do capim-annoni em Dom Pedrito
Curso e palestra são gratuitos e acontecem no dia 22 de julho Na próxima segunda-feira, dia 22 de julho, o Senar-RS e a Embrapa Pecuária Sul promovem o evento Capim-Annoni - Tolerância ZERO em Dom Pedrito. A planta invasora que desvaloriza o campo e prejudica o crescimento do gado vem causando prejuízos aos gaúchos há anos. Para auxiliar os produtores no seu combate, será realizado um minicurso sobre a Metodologia Mirapasto (Método Integrado de Recuperação de Pastagens) e uma palestra sobre o tema no Parque de Exposições Juventino Corrêa de Moura (av. Rio Branco, 80). O curso, que acontece das 13h30 às 17h30, abordará o histórico do capim-annoni, os danos econômicos e ambientais, como manter o campo limpo, construção da fertilidade do solo, assim como uma introdução sobre espécies forrageiras e o ajuste da carga animal. O evento será seguido pela palestra Capim-Annoni - Tolerância ZERO, com início marcado para 19h. Na ocasião, além da metodologia Mirapasto para recuperar pastagens degradadas, serão abordados os resultados dela no campo, sua rentabilidade e eficiência. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local do evento. A atividade tem o apoio da Grazmec e do Sindicato Rural de Dom Pedrito. No mês de junho, cerca de 500 produtores receberam orientações sobre o assunto em seminários nos municípios de Pelotas, Bagé, Rosário do Sul, Uruguaiana e Itaqui. Sobre o capim-annoni Vindo da África, o capim-annoni encontrou condições propícias para sua proliferação no Rio Grande do Sul. A planta compromete a produtividade no campo, pois causa desgaste na dentição dos animais e, por ser uma planta mais fibrosa e menos nutritiva, o ganho de peso é mais lento. Aprender a identificar o capim-annoni é o primeiro passo para o combate. A planta costuma entrar pela porteira da propriedade, onde há o trânsito de animais ou de veículos, crescendo em áreas em que o solo está descoberto. Surge de forma tímida, mas pega carona na sola do sapato, na pata dos animais ou no pneu dos veículos e, a partir daí, se espalha pela propriedade. Cultivar uma boa pastagem é essencial para prevenir a reinfestação. O cuidado deve ser permanente, já que as sementes podem sobreviver no solo por muito tempo depois que a planta foi retirada. Alessandra Bergmann (Assessora de Comunicação) Senar/RS Contatos para a imprensa alessandra@senar-rs.com.br Felipe Rosa (14406/RS) Embrapa Pecuária Sul

Senar-RS e Embrapa promovem evento sobre combate do capim-annoni em Dom Pedrito

Colunistas

Artigos sobre o Agro Negócio

Rédeas bate recorde
Novo Campeonato Gaúcho de Rédeas bate recorde Neste sábado, dia 09 de dezembro de 2017, a ARCR | Associação Riograndense do Cavalo de Rédeas realizou a 1ª Etapa do 15º Campeonato Gaúcho VTR de Rédeas, Potro do Futuro Organnact e Snaffle Bit ARCR, no Rancho TMT, antigo Centro Hípico Querência, na zona sul de Porto Alegre. Tivemos recorde de inscrições e provas com muito equilíbrio e alto nível. Foram 168 inscrições em todas as categorias, divididas entre ABERTO, AMADOR e os sub-níveis Jovem, Feminino e Sênior. O juiz da ANCR/NRHA, Giovani Bonancin fico surpreso com a organização da etapa "-O Rio Grande do Sul é, sem dúvida nenhuma, o maior núcleo de rédeas do Brasil e a forma profissional que a Associação conduz o campeonato é exemplar. Nunca vi uma etapa regional com tantos participantes. Tudo é pensado com cuidado e realizado com muito carinho por uma turma que abraçou a Entidade e contagia a todos a sua volta. Chama atenção o grande número de meninos e meninas competindo, já em alto nível, indicando uma nova geração que vem chegando." Este número de jovens começou com a criação da modalidade Estribo Curto, há 3 anos, quando no final das provas a gurizada podia entrar em pista com o responsável e mostrar o que já sabe fazer. Alguns entram no colo do pai, montado a cavalo. Todos ganham medalha e uma avaliação motivacional do juiz. É um dos momentos mais esperados do evento. A etapa contou com muitos novatos experimentando a modalidade, alguns pilchados e outros de sotaque bem diferente ao nosso, era fácil identificar que vieram de longe para participarem do Campeonato Gaúcho, muitos de Santa Catarina e Paraná, outros do interior do Rio Grande, como Santa Maria, Portão, Novo Hamburgo e Glorinha. Ficamos felizes em ver nossos patrocinadores e parceiros satisfeitos com os resultados das vendas durante o evento. Outro diferencial foi o desenvolvimento de um SISTEMA gerencial para o Campeonato e Gestão da ARCR. O sucesso desta etapa experimental já despertou o interesse da Associação Nacional e demais núcleos regionais que querem contar com este facilitador. Público e associados puderam acompanhar a ordem das provas, os respectivos resultados e as classificações, on-line. O Sistema foi desenvolvido com a parceria da Empresa ACIZ . Soluções em Software. A organização do evento oferecia também: "ESPAÇO TRAIL RIDE": dois cavalos no redondel à disposição, com dois professores experientes para que possíveis interessados pudessem se aproximar e vivenciar o cavalo de rédeas. “ESPAÇO KIDS”: pensando na comodidade e na família, criamos um espaço para os nossos pequenos poderem brincar e se distrair. Apesar, que grande parte das crianças preferiram a diversão sobre o lombo do cavalo! Enfim, um evento realizado com muito trabalho e dedicação de uma grande equipe e a alegria de ver que hoje vivemos um momento que sempre foi nosso sonho de Associação! O clima era tão favorável, uma egrégora tão forte que os problemas, que sempre aparecem, não tiveram espaço, pois tudo foi administrado com cooperação e bom senso. O local sempre foi um palco histórico das rédeas e a energia foi muito contagiante. Quando assumi a gestão do Campeonato Gaúcho, há 3 anos, formamos um time muito forte e comprometido. Cada um tinha uma responsabilidade. O empenho de todos foi enorme e os resultados foram melhorando a cada etapa. Periodicamente nos reuníamos para avaliar o rumo e corrigir a rota. Hoje, este mesmo time, agora sob a coordenação da Joana Azevedo, comemora o sonho de ver o sucesso da Associação chegar a um nível como esta etapa que realizamos. Sabemos que os desafios continuarão crescendo, mas agora a motivação está ainda maior, pois sabemos que este esporte tem muito a nos dar! Fotos: Spolavori

Rédeas bate recorde

Arturo Montory Gajardo

A Vida no campo como ela é.

CRIATORIO GROSELLA
Criatorio Grosella de Juan Manuel, María Inés e Claudio Solís. Manuel Solís González "Pacho", inicia sua cria em 1954 e nasce em março de 1955 seu primeiro produto La Coqueta, filha de Picacho (Garabato-Batro) em Varicela por Enjuague em Rinconada por Cascabel hijo de Alfil II e Tesonera. Coqueta uma bonita baio, deu a Carretero em Tapete e a Huérfana em Tequila. Em 1966 compra ao lindíssimo baio de muito selo e morfología, complicado de boca, Aculeo Tapete filho de Macizo (Coirón III) em Birola 2 por Lustre, Potro que deixou crias na cabanha Biskaya de Quintín Arrigorriaga que administrava Oscar Bustamante Salas, em Toco Toco, em Grosella e depois foi vendido a Alberto Schwalm para La Amanecida e acompanhou ao Estribillo em seus inicios nos corrales. Nesses anos os cavalos de Aculeo eram o máximo, época do Matucho, Percala e muitos mais. Já estaba incroporado como "arrumador" o famoso segundo "Wuito" Zúñiga, que fez os cavalos do criatorio por um monte de anos e ensinou a correr a Juan Manuel e Claudio Solís. Em 1970 Hernán "Perico" Villalobos, companheiro, compadre e vizinho de Manuel compra no criatorio El Escudo ao Tequila por Guaraní, e deixa crias em Grosella entre elas a Huérfana em Coqueta, e foi uma grande mãe do criatório, deixou 7 crias. Manuel em seus inicios também tinha adquirido a que seria sua egua emblema e a que cumpriu grandes actuações nos corrales, a baia branca Fundadora filha de Azahar 2 em Vianda por Madrigal, e também incorpora a baia Libertad filha de Quicio na Ahualma por Agasajo (Mocosito-Batro). Em 1971 nasce o Chagual filho de Tequila em Libertad, um baio muito acampado, extra de corrais que corria Wuito Zúñiga e Perico Villalobos, depois vendido a Miguel Goycolea para seu cria Lo Gallo. Por esses anos também Hernán Villalobos chega a Comalle com El Baqueano, potrilho de messes, que logo traspasa a Manuel Solís. Baqueano filho de Taco em Parrillada por Empeñoso era preto, lindíssimo, cabeça fina, acarnerada, redondo por todas partes, de grande centro, moño corto mas poblado, gatilho e cola preciosas, e muito bom de vacas depois foi vendido para o criatório Huelequen de Pascual Baburriza. Baqueano em Libertad deu a Ensueño, lindo cavalo que pertenceu a Perico Villalobos vendido a Lo Gallo, mas lhe alcançou e deixar o colorado Los Mallines Pericote, que foi Juan Manuel Solís e Claudio, sendo um potro extra de vacas, o premiaram muitas vezes e deixou varias crias. El Baqueano deixou seu selo no criatorio e foi um grandíssimo aporte e quando corriam com el Chagual se luziam nos corrales como tipo chileno e vaqueros. Em 1975 nasce um potro que os faria famosos e conhecidos internacionalmente, el Grosella Pajonal, filho do Baqueano em Fundadora, um baio claro de crines brancos, de bonito tipo e extraordinario vaquero, finalista em Rancagua, exportado para o Brasil onde deu uma rande produção. Alcançou e deixar 6 crias. O cavalo baio Gualcacho em Baqueano e Fundadora também foi muito bom de corrales. As éguas Pascua, Romaza, Camelia, Vendimia, Coqueta todas filhas de Baqueano foram muito boas de corrales e mães. Outro cavalo muito importante de Grosella foi Estoquillo, filho de Juguete (Quicio) em Celosía por Desdén (Estuco 2) e Comadrita por Empeñoso, que deixou crias em Grosella, Otoñal, Huelequen e La Capilla. Outro potro muito distinguido foi Patagual, por Baqueano e Mal Mirada II por Picunto, que, em Grosella deixou a Romaza, Caravana e Embrujado, e depois foi ao criatório Otoñal. Logo seguiram reproduzindo a Pericote, Esperado, Mezquino, Aquí Estoy. Manuel já falecido lhe sucedeu seus filhos e netos todos correndo e alguns começando, mas na atualidade o criatorio com os ginetes Claudio Solís e Marco Antonio Flores estão em grande pé e cumprem muito boa campanha em Curicó. Juan Manuel correu durante muitos anos e entrou ao 4° animal de 1986 com Wuito Zúñiga e estavam muito perto de ganhar. A Federação de Criadores lhe outorgou o prêmio a família criadora de cavalos chilenos. As fotos correspondem a uma ocasião em que o Municipio de Teno lhe otorgou uma medalha de filho Ilustre a Manuel Solís na meia lua de Comalle. Um lindo legado deixou Manuel Solís ao seus filos e netos, e é muito bonito vê-los triunfar nas meia-luas do país, uma linda homenagem ao seu pai. Por: Arturo Montory Gajardo

CRIATORIO GROSELLA

Criadores

A paixão por criar

Doma de Ouro revela os melhores domadores do ano
Evento da ABCCC consolida crescimento e consagra importância no segmento da raça Crioula Os melhores domadores da temporada 2019 foram conhecidos neste sábado, 20 de julho, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio(RS). Organizado pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), a Doma de Ouro revelou os campeões do Redomão e de Um Ano de Freio. Eles foram avaliados durante dois dias de provas pelos jurados Leandro Amaral e Daniel Waihrich Marim Teixeira. O ginete Marcos Silveira venceu a Prova Um Ano de Freio 2019, com 12,306 pontos, e também ganhou o troféu de Domador do Ano, cuja premiação ocorrerá durante a Expointer. Ele conduziu a égua Santa Augusta Madrecita. "É uma satisfação muito grande, pois foi um trabalho de continuidade. É a terceira vez que corro e, esse ano, conseguimos consolidar a doma e ficar em primeiro com a mesma égua. Só tenho a agradecer", salientou. No Redomão, o prêmio ficou com o ginete Rian de Vasconcelos Valadão e a égua Jasmin do Mako, com 92,925 pontos. Valadão agradeceu a ajuda do pai no preparo da égua, salientando que por ser muito boa era difícil de domar. "Sabia que a prova seria bem concorrida, mas conseguimos chegar com ela bem pronta na hora prova e tudo deu certo", ressaltou. O coordenador da Doma de Ouro, Ricardo Wrege, afirmou que este é um evento que vem crescendo muito ano a ano, o que é demonstrado pelos números. Salientou que é um dos segmentos mais importantes da raça Crioula já que é o início do cavalo de prova, de cela, funcional. "Se hoje nós temos uma prova brilhante, um dos maiores eventos que é o Freio de Ouro, nós devemos à Doma de Ouro que é o início de tudo", destacou. Wrege lembrou a importância em valorizar o domador e o trabalho que é muito bem feito na base. "Para o próximo ano a premiação terá um aumento significativo, passando de R$ 40 mil para R$ 62 mil, assim como haverá um acréscimo no número de finalistas, chegando a próximo de 200 animais", informou. Também foram conhecidos os vencedores da Exposição de Castrados e selecionados mais animais durante a Prévia Morfológica para a Nacional da Morfologia durante a Expointer. Os nominados podem ser conferidos no site da ABCCC (www.abccc.com.br). Fotos: Felipe Ulbrich/ Fagner Almeida/ABCCC/ Divulgação Texto: Andreia Odriozola/Rejane Costa/AgroEffective

Doma de Ouro revela os melhores domadores do ano