Notícias

Ovinocultura em Debate

Data: sexta, 12 de julho de 2019 - Hora: 09:41

Avança nas discussões para fortalecimento da cadeia produtiva.

Com a participação de representantes do mercado, consumidores, produtores, indústrias, governo, técnicos e pesquisadores, a 5ª edição do Ovinocultura em Debate cumpriu seu objetivo de captar opiniões plurais sobre os problemas e oportunidades do setor, a fim de encontrar alternativas para potencializar a cadeia da carne e da lã ovina. Realizado nesta quarta-feira, 10 de julho, na sede da Embrapa Pecuária Sul, em Bagé, o evento contou com a participação de mais de 120 pessoas envolvidas com a área.

O 5º Ovinocultura em Debate foi organizado em painéis e mesas, que favoreceram a discussão e o confronto de diferentes olhares sobre o mesmo tema. Nos espaços de debate foi possível captar as visões de quem consome, de quem comercializa, de quem transforma e a visão de quem produz. Todas as apresentações, que ainda foram antecedidas por uma palestra de contextualização da ovinocultura proferida pela Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), culminaram na mesa final, que discutiu o tema "o que podemos fazer juntos pela ovinocultura gaúcha?".

O assessor técnico da Arco, Edegar Franco, fez um balanço positivo do evento. "Conseguimos ouvir todos os elos dessa cadeia produtiva, a parte gastronômica, de mercado, de indústria, de produtores, todos com o mesmo sentimento, que é o de querer ajudar", disse. "Todos foram bem desarmados, colocando números, colocando na mesa as dificuldades, os anseios, para que tenhamos uma cadeia forte em uma equação de soma onde todo mundo ganhe", completou Franco.

Para que esse ganho de todas as partes ocorra, um dos desafios mais recorrentes levantados durante o evento é o de organização e aproximação dos elos da cadeia produtiva. Consumidores, restaurantes e mercados expressam o desejo por ter mais acesso à carne e à lã ovina, existe indústria apta e interessada em processar o produto e a atividade pode ser lucrativa para os produtores. Nesse contexto, o paradoxo está justamente na diminuição do rebanho ovino no Rio Grande do Sul, que em cinco anos reduziu em cerca de 1 milhão de cabeças.

Visando reverter esse quadro, um documento extraído dos principais pontos debatidos no evento deve ser encaminhado à Câmara Setorial da SEAPDR, de forma a estimular ações e políticas públicas para o setor. Dentro dos destaques devem constar questões como a própria organização da cadeia, o estímulo ao aumento dos índices de natalidade e assinalação nas propriedades, crédito rural, apoio para diferenciação dos produtos da ovinocultura e assistência técnica e capacitação de produtores.

Todas essas questões caminham para que no final da cadeia o consumidor tenha acesso a um produto de qualidade. A maestra churrasqueira e médica veterinária Beth Schreiner, gaúcha radicada em Santa Catarina, destacou em sua participação no evento a importância de que, além da qualidade, a carne ovina tenha quantidade suficiente, entrega regular e, principalmente, padronização. "Com uma única experiência ruim, o cliente deixa de consumir a carne ovina, não tem segunda chance", explicou, ao se referir que com outros produtos consumidos mais habitualmente, como a carne bovina, o consumidor está aberto a repetir a compra mesmo tendo uma experiência ruim.

Com demanda crescente, mas consumo ainda baixo no Brasil (estima-se que o consumo anual esteja entre 400g e 700g no país), a carne ovina não marca maior presença na mesa do brasileiro devido a um caminho ainda pouco fluído dentro da cadeia produtiva. "Enquanto os produtores estão pensando em animais grandes, o consumidor quer cortes pequenos, quem comercializa tem dificuldade para dispor do produto, a indústria diz que quer comprar e não encontra, e o produtor diz que produz e não tem para quem vender", comenta o pesquisador da Embrapa Pecuária Sul Marcos Borba.

Ovinocultura dá mais retorno financeiro

Com experiência de décadas trabalhando com pecuária e lavoura, o produtor rural de Pedras Altas, Carlos Ávila, destacou que a ovinocultura é a atividade mais lucrativa na sua propriedade. "Eu tenho arroz, soja, bovinos, equinos e a ovinocultura é o que mais dá retorno financeiro por área útil ocupada", destacou.

A percepção de Ávila vai ao encontro de uma das palestras que mais instigou o público. O também produtor rural, Luiz Cláudio Pereira, apresentou o tema "por que ser um produtor de ovinos", com dados comparativos entre lavouras, a bovinocultura de corte e a ovinocultura. Nos cálculos de Pereira, o lucro líquido da ovinocultura com taxa de natalidade de 75% chega aos R$ 1686,00 por hectare (ha), contra R$ 962,00 da soja em área própria (40 sacas/ha); R$ 603,40 do arroz em área própria (160 sacas/ha); e R$ 492,75 da bovinocultura de corte (ciclo completo). "É claro que cada um tem que ver a vocação do seu campo, assim chegamos nesses resultados", explicou Pereira.

O evento foi uma promoção da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco) e Embrapa Pecuária Sul, com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/RS), Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), e Supra.


Fonte:Embrapa Pecuária Sul/Felipe Rosa



Venha e participe Conosco!
Deixe seu comentário,
Até a próxima.

Já viu os animais que vendemos? Veja Aqui!


Sem Artigos do Campo no momento