criadores

Cabanha El Barquero, os crioulos da função

De grandes reuniões, grandes amizades. De grandes amizades, se compartilham os gostos e as paixões. Foi assim, que na casa de Rene Barbachan era um dia de assado, vinho e altas conversas. No meio desse grupo... um médico, que prestava atenção a grandes discussões. "Esse cavalo para mim é muito alto, e frouxo de garupa", "Ah mas tem bom pescoço!", "Tem sangue das "buenas", "feio de aprumos", "bons movimentos" ... Essas eram as frases que se escutavam ali. O doutor quieto, mais atento.
Foi o convívio com tantas pessoas vinculadas, que o Dr. Ricardo Gallicchio Kroef começa a se interessar por bichos de quatro patas, com topete, e que falavam entre relinchos. Além disso, Casio Selamein fazia questão de que isso acontecesse, e assim foi que o médico deixou aos poucos de frequentar tantos hospitais para dar um "pulo" nas pistas para ver o que faziam esses bichos.
Ah!, a primeira impressão não foi a que todos esperavam. Não é que o mais novo frequentador de provas da raça crioula quase dorme quando foi numa exposição morfológica? Sim! assim mesmo.
Mas... ainda assim, para a surpresa de todos o Dr., compra seu primeiro animal: uma colorada MANGALARGA.
"Quase apanhei", fala Ricardo ao conversar com Cosas del Campo.
Para não apanhar, e entrar na "jogada" dos cavalos. Compra agora sim, a primeira égua crioula: uma tobiana negra, o que não deixava muito contente aos amigos criadores. E por falar neles que agora tinham um novo convite para o amigo: Ir no famoso "Freio de Ouro".
E assim foi, num mês de agosto, na arquibancada da pista de Esteio, o Ricardo, o "Tita" estava vibrando como nunca, estava maravilhado, encantado com aqueles cavalos em movimento. Foi depois disso, que não se falava mais, não tinha volta atrás. Ele queria criar cavalos que emocionassem gente quando estavam em movimento. Para isso, ele buscou assessoramento, e assim decide o destino: linhagens funcionais da cabanha, porque agora, ia ser uma cabanha. "Cabanha El Barquero", inspirada em outro hobbie que o Dr., tem: ir de pesca para a Patagônia na Argentina.
No começo, foi atrás das éguas de manada que trouxessem essas famosas "linhagens funcionais". E assim chegou "Capanegra Iguaria", primeira égua comprada com esse pensamento, com um potranco ao pé do Capanegra Jacarta, e prenha do mesmo cavalo.
O que ninguém sabia, nem se imaginava, e que nessa barriga vinha um bichinho comum como qualquer outro, mais que queria fazer acontecer se movendo. Nesta barriga vinha então: "El Barquero 04 Patagônia".
Uma égua, que hoje dispensa comentários, pois deixou de ser a égua do Dr. Tita, para ser a égua "de todos". Mais até chegar ao "por quê" dessa expressão, tem muito para contar.
A Patagônia, já tinha o destino traçado, ela iria ser domada, e seguiria direto para começar a treinar "que nem aqueles cavalos que o Tita tinha visto em Esteio". Domada por Zezeco Macedo, ela começa a demonstrar o que era. Começa a demostrar pro Tita, que ela era diferente, que tal vez, superasse as expectativas dele.
O tempo passou, e chegou a hora de sair de casa. Mas... como sempre tem que acontecer alguma coisa "bem na hora", o Raul Lima, treinador da égua teve que fazer uma cirurgia faltando dez dias para a prova.
Saindo tudo bem na intervenção, o problema agora era outro: Quem iria montar a Patagônia?
O Dr., preocupado com isso foi até o hospital visitá-lo e conversar ao respeito, chegando lá, pergunta:
-"Que tal Fabricio Barbosa?"
-"Excelente!, só falta uma égua que nem a Patagônia para ele brilhar."
E assim chegou o grande dia. Um domingo frio, mas com o sol brilhando, a TV pela casa do treinador já estava acessa, o coração do Tita, também.
A Patagônia só fez o que já estava esperado: emocionar a todos. Uma égua com 6,4 de morfologia, nesse domingo, ganhava a classificatória de Bagé e obtendo a maior média funcional do ano, fazendo uma prova emocionante.
Aí foi então, que o Tita obteve a melhor recompensa: além daquela vitória, ele conseguiu outra: fazer emocionar gente.
Conversando com nossa equipe, ele nos fala dos novos criadores que nem ele, e ele só dá um par de conselhos... "Sangue comprovada funcionalmente; domadores bons, pois acredita que a doma é uma coisa fundamental em um cavalo, e ginetes que priorizem seu animal", além de dar o principal conselho de todos: "nunca deixem de domar um animal que traga consigo boa sangue funcional por critérios morfológicos".
Voltando a cabanha, e fechando esta emocionante história, perguntamos sobre o futuro...
"El Barquero" seguirá em busca de cavalos funcionais. Por que? Porque nada substitui ou é maior do que um abraço desconhecido e sincero te dizendo: Obrigado, "seu Tita", pela emoção que senti ao ver seu "bicho" andar..."

Texto: María Eduarda Sanes

Nossos Colunistas

Arturo Montory Gajardo

Nací en Cañete provincia de Arauco-Chile en septiembre de 1946, de familia de agricultores y ganaderos. En 1964 mi tío Hernán Anguita Gajardo, estudioso, criador (criadero Paicavi), y dirigente del rodeo escribe artículos en el Anuario de la Asociación de Criadores de Caballares, y me hace participar de ellos, lo que efectuó hasta el año 1970 en que entrega su último artículo. (Hernán Anguita creo el premio Sello de Raza). Ello me hizo aprender muchísimo de caballos, rodeo, arregladores y jinetes antiguos y ya en el año 1966 en una Agenda o libreta pequeña pude escribir y desarrollar en forma ordenada y clasificada por Familias Caballares toda la raza con los ejemplares más importantes, en rodeo, rienda, reproducción, exposiciones, que habían destacado y con premios hasta esa época. No había aun computación, la que llegó en forma masiva a Chile a principios del 1990. Esa agenda la conservo y es la base de todo lo que he escrito después y han pasado 50 años. Luego fui jinete de rodeo, jurado de premio Sello de Raza y Rodeos por muchos años más. En 1990 ya establecido en Santiago, me invitan a participar como columnista en revista Criollos, en octubre de 1991 participo en nacimiento de revista Corraleros escribiendo y dirigiéndola hasta 2005 y luego fundo la revista Tierra de Caballos, la que llevo a Expointer durante algunos años y junto a ello, incentivar a muchos criadores chilenos a conocer y asistir al Freno de Oro, y se produjo un intercambio muy grande y de muy gratos recuerdos para todos. En 2009 fui panelista representando a Chile de “Encuentro de Criadores”, evento que organizaban los criadores gaúchos Joao B. Sa y de Uruguay Luis Pedro Valdés en restorán de la 6° Regiao en Esteio. Me toco en esa ocasión compartir palestra con el famoso Bayard Sarmento Jaques de Jaguarao-Uruguiana, el criador argentino Ramon Maidagan Torres, y el criador uruguayo Diego Landa Dondo, una experiencia inolvidable. En 1997 publique el libro "Caballos Chilenos, Genealogía de una Raza"; en 2000 inicio la colección "Caballos Chilenos, 500 años de Historia", que fueron 9 tomos; en 2012 publico en Internet, están aún vigentes, 5 tomos de libro "Grandes Caballos del Sur de América", que incluye crianzas de Argentina, Brasil, Chile, Uruguay y Paraguay. Me publicaron artículos en Anuario de Brasil y Uruguay. En 2015 publico Tomo I y en 2016 el Tomo II de libro "Reproductores de Pura Raza Chilena", vigente actual. Tengo al aire la web Tierradecaballos.cl; en Facebook web Libro Reproductores de Pura Raza Chilena. He hecho videos en YouTube a nombre de Caballería Araucana TV; criadero Paicavi TV; y Reproductores de Pura Raza Chilena, que van a TV Cable He sido por 13 años columnista de web de Federación del Rodeo y Criadores, Actelemte participo en programa Pelos & Procedencia de radio Tertulia por invitación de mi estimado amigo Rodrigo Alegrete. En diciembre del 2016 fue lanzado el Tomo I de "Historia del Rodeo Chileno", que escribí, y a principio del 2018 se lanza Tomo II y la Historia de la Federación del Rodeo, soy autor de ambos. Tengo un pequeño criadero de caballos chilenos continuando con algunas yeguas antiguas y el nombre de "Paicavi" cuyos ejemplares forman la base del actual del exitoso criadero Peleco, formado por Emilio Lafontaine P. también primo mío, y que ahora pertenece a Rubén Valdebenito Fuica y sus hijos Gustavo y "Panchaco". .