#vidadocampo

Histórias de Vida

A Vida no campo como ela é.

De pai pra filho !!! (parte II)
Quando duas pessoas estão destinadas a estar juntas, pode ter certeza, que alguma coisa acontecera, ou alguma pessoa intercedera para que isso aconteça. E assim foi, que uma certa pessoa, convida Claudio Ruas para fazer uma visita "cualquer" de fim de semana, e é daí que surge um casal, que deles, nasceria um jinete diferente, um jinete pra fazer história. Eles são Claudio Ruas e Cristiane Rodrigues, se conhecem faz 22 anos, e faz 18 que são acompanhados pelo Gustavo Ruas, filho do casal, junto com o casula Guilherme. Claudio, um homem sempre de campo, não poderia sair diferente "a cria". Nem bem nasceu o Gustavo, ele já pegou o gostinho, gostinho pelo campo, mas sobre tudo, gosto pelos cavalos; recebendo assim sempre presentes que tinham que ver com o assunto. Assunto que na vida de Gustavo, tem muito pra falar, se emocionar... Antes de ter cavalos, mas ao mesmo tempo já tendo, o Gustavo, muito engenhoso, montou uma cabanha de cavalos de Pau. É! Assim como vocês estão lendo. E todos os dias na hora do chimarrão tinha prova, era hora de apresentar os cavalos aos jurados que eram os pais. Cristiane sempre dava 10, agora o Claudio, dava 9 em algum que outro, e o Gustavo no outro dia voltava lá com seu cavalo 9, pra ver se tinha melhorado! O foco tem que começar desde cedo! Mas, era hora de deixar os cavalinhos de pau, e ter um de verdade. Seu primeiro cavalo, Cartucho Tupambaê, presente do Oswaldo Pons. Cartucho, o cavalo rosilho, foi quem ensinou a andar a cavalo ao Gustavo com apenas 3 anos, ensinou de uma maneira diferente, já que pro casula não cair, o pai botava uma cordinha no cinto. Lembranças boas, que merecem ser lembradas. Mas a história do Cartucho não termina por aí... o cavalo, era o bichinho de estimação de Gustavo, pra onde eles iam, o cavalo ia junto. O assunto era não separar a dupla! O tempo passou, o gosto pelo cavalo só crescia, e o incentivo dos pais nunca faltou. E então, Gustavo, com 7 anos, estreia nas pistas, competindo o laço em um CTG de uma vaca parada, obtendo o segundo lugar. Nada mal pra começar né? O troféu, ele guarda até agora, como lembrança pra nunca ser esquecida. 8,9,10 anos... os anos foram passando, a paixão aumentando, e a vontade por aprender, por se superar, era o que mais o menino tinha, pois o exemplo estava em casa, para o Gustavo, até hoje, seu maior exemplo, e o pai, quem além de ensinar, corregir, está sempre aí, pra dar aquele abraço apertado quando as coisas não vão bem, e dar aquele grito, quando a vitória tá batendo a porta. Vitoria batendo a porta é o resultado, do compromiso que o Gustavo tem pelo que faz. Então, os resultados começam a vir. São vários os Redomões que tem ganhado, provas de diversos tipos, entre elas, ganhador de freio jovem. Mais ele confessa, que prova especial, foi quando ganhou a prova Don Arturo, não quitando brilho as outras, pois ele nos diz, que todas são especiais, que de todas tira um aprendizado, já seja ganhando ou perdendo. E é ganhando ou perdendo, que a equipe do CT Ruas, sempre está aí, para apoiá-lo, equipe de mãe, irmão, pai, e amigos. Gustavo hoje de 19 anos, um menino segundo a mãe, "que tem que estar correndo atrás das palavras, pra saber como e que está tudo", mais que é o orgulho da família, com seu jeito humilde, carinhoso, e tranquilo. Ganhando, perdendo ou com susto de por meio, o rapaz nunca perde o compromiso, foi assim, que a mãe nos conta, que numa mau jogada da sorte, o jinete cai desmaiado e tem que ser socorrido por uma ambulância, e dentro dela, surge a pergunta: "Mãe, eu perdi?" Mas... Pra ele, todos os cavalos são uma história, todos os cavalos são uma conquista. Alguns mais especiais que outros, alguns mais manhosos que outros, mais nada quita, a paixão pelo que ele faz, paixão que ele diz hoje, que é o que quer, pro resto da sua vida. Sonhar? Claro, Gustavo tem muitos sonhos junto a eles, junto a esses bichos de quatro patas, que fazem ele vibrar, fazem ele ficar nervoso, mais sobre todas as coisas, cada dia que passa, fazem ele acreditar, ter foco, e seguir sonhando. Sonhos do Gustavo, que hoje se tornam os dos pais. Porque pra eles, se realizando os filhos, eles já estão pra lá de realizados. Sonhos que pra o Gustavo hoje, estão batendo a porta, que estão dizendo: cara, você está perto... não desista! E foi não desistindo, acreditando, que o ano de 2017 veio com tudo, pra surpreender todos, e sob tudo, surpreender o guriazinho que andava de corda no cavalo com 3 anos... Mais isso, você descobre, no terceiro capítulo, que está imperdível!

De pai pra filho !!! (parte II)

Atravessando Fronteiras

Colunas Internacionais

A velocidade em cavalos
Acredito que, nos anos em que vivi, vi e cavalguei grandes cavalos. Isto último, mais que uma virtude pessoal, atribuo a algum fator fortuito. Mas deixou-me a impressão de saber instantaneamente quando estou na presença de um cavalo diferente. Vi muitos cavalos que me deslumbraram, nas paleteadas a yunta da Muñuela e da Telaraña, Que Lola e Si Sera. Eu pude testemunhar os títulos do Aguaitando. Vi mover o Facón que me lembro de ter descido com um amigo para contar os doze metros que eu havia colocado minhas pernas em uma final em Palermo, fato que me deixou surpreso. Mas há um cavalo que desde que o vi pela primeira vez acordei e ainda hoje não só mantém a minha admiração, mas também é com o amor que me gerou. Ele é Tinajera Miralejos. Lembro me de que foi em um leilão quando alguém me disse que ele tinha tido um desempenho enorme e ele tinha feito 60,5 de 70 possíveis em uma classificatória. Mas não foi até a semifinal em Mendoza que eu não a vi viver e viver. O que um dia, Pedrín Muñoz, a maioria na Argentina conhece este grande amigo, não parece afetar a situação e deixou a sensação de que tudo o que ele queria fazer com Miralejos naquele dia poderia ser alcançado. Mas o destino é mesquinho. Porque em um desempenho um pouco mais normal perde a final quando se move no desmonte e monte. Mas tudo nesta vida tem seu retorno. E não foi necessário esperar tanto tempo, quando a nomeação foi em Montevidéu para a FICCC de 2012. Com grande concordância dos países da FICCC mais o Huasuncho, e o Pistilla, eles deixaram um cenário digno de uma batalha épica. E esse foi o seu dia, coroado campeão da FICCC. Hoje ele está treinando para correr o freio, que seria sua terceira prova. Ele foi finalista em um corral separado, campeão de rédeas da FICCC e veremos como ele escreve este capítulo. Como reprodutor já tem um filho de freio de prata. Seus filhos não só têm a agilidade e boa boca dele, mas eles também possuem uma mansidão surpreendente. Eu nunca andei a cavalo com suas condições, e isso não prejudica a memória das outras celebrações que eu pude escalar. Mas a velocidade e a agilidade do mesmo, a velocidade nos movimentos laterais e a suavidade para colocar as pernas, o que os coloca como poucos, foram as coisas que mais me deslumbraram. Amém da sua nobreza do Grande Cavalo. Mas as coisas não são o resultado da casualidade. Seu pai vem de uma família de cavalos classificados no rodeio chileno. Já seja o Sembrador, para não mencionar o múltiplo campeão de rienda Cachupin ou Cantinita. Mas as mães nesta vida são tudo, Forastera é filha de San Pedro Huaso, cavalo de ótimas condições, Afinao pai, três vezes FZB, e que toda mãe que está presente torna diferente. Sua avó materna foi uma das grandes éguas de Don Victor Esevich, Secretaria da SEPULTURA. Filha do único campeão de rodeio chileno que chegou à Argentina, Quizapu Forastero. Nada acontece só. Acho que até o Miralejos, as coisas tinham uma velocidade, então percebemos que havia uma marcha em alguns "diferentes"...

A velocidade em cavalos

Bem estar Animal

A vida do campo

Angus modifica regulamento de exposições e ranking de criadores e expositores da raça
Atendendo a uma demanda dos criadores, a Associação Brasileira de Angus alterou o regulamento de exposições e do ranking de criadores e expositores da raça. "A contagem dos pontos era complexa, buscamos facilitar o entendimento. Agora ficou mais simples", explica o presidente do Conselho Técnico da Angus, Camilo Vianna, destacando que o objetivo é fomentar a participação em feiras. Entre as novidades do novo regulamento, também está a mudança do calendário do ranking. Antes, a contagem dos pontos começava em janeiro e terminava em dezembro. Agora, iniciará após a Expointer, nas exposições de primavera, culminando na Expointer do ano seguinte. A entrega das premiações do Ranking também ocorrerá na Expointer, tudo no sentido de valorizar os expositores e criadores no principal palco para a Raça. Outra mudança importante é que para pontuação nos rankings estaduais, serão validados somente os pontos de exposições em que o criador ou expositor participou dentro do seu estado. O novo regulamento foi aprovado em Assembleia Geral Extraordinária, realizada na sede da Associação, em Porto Alegre, na última terça-feira (27|3). Na ocasião da Assembleia também foram aprovadas, por unanimidade, as contas da entidade referentes ao exercício 2017. Confira algumas alterações no Regulamento do Ranking: O multiplicador de filas pequenas foi excluído da tabela de pontuações. Assim, não ficam prejudicados os animais que são premiados em filas pequenas ou animais que entram sozinhos nas filas de categorias e campeonatos; O mesmo animal poderá pontuar mais de duas vezes ao ano; Mudança na tabela de pontuação de Rústicos, onde os animais Grandes Campeões serão mais valorizados; Serão premiados no Ranking as categorias: Ouro, Prata e Bronze; Alteração do nome do Julgamento de Rústicos Individual para Concurso Individual Veja as principais mudanças no Regulamento de Exposições: O técnico coordenador poderá fazer a confirmação do animal no dia da admissão; Redução da tabela de pesos mínimos para fêmeas paridas na modalidade de rústicos.

Angus modifica regulamento de exposies e ranking de criadores e expositores da raa